A Constituição Federal de 1988 determina que as três esferas de governo – federal, estadual e municipal – financiem o Sistema Único de Saúde (SUS), gerando receita necessária para custear as despesas com ações e serviços públicos de saúde. Planejar este financiamento, promovendo arrecadação e repasse necessários de forma a garantir a universalidade e integralidade do sistema, tem se mostrado, no entanto, uma questão bem delicada. As restrições orçamentárias para o setor – sobretudo a falta de recursos nos municípios – e a necessidade premente de superá-las fazem com que as discussões sobre o financiamento ocupem constantemente a agenda dos movimentos sociais e políticos que atuam em defesa do SUS.

Os percentuais de investimento financeiro dos municípios, estados e União no SUS são definidos atualmente pela Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012, resultante da sanção presidencial da Emenda Constitucional 29. Por esta lei, municípios e Distrito Federal devem aplicar anualmente, no mínimo, 15% da arrecadação dos impostos em ações e serviços públicos de saúde cabendo aos estados 12%. No caso da União, o montante aplicado deve corresponder ao valor empenhado no exercício financeiro anterior, acrescido do percentual relativo à variação do Produto Interno Bruto (PIB) do ano antecedente ao da lei orçamentária anual.    

Diversas instituições organizadas reivindicam, no entanto, que a União destine pelo menos 10% das receitas correntes brutas para a saúde pública brasileira, o que não se consolidou com a sanção da Lei Complementar nº 141. Diante disso, organizou-se o Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública, Saúde + 10, com o objetivo de coletar assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que assegure o repasse deste percentual, alterando a legislação vigente. 

Outro debate que se levanta a partir do subfinanciamento da saúde é a relação entre o público e o privado, já que recursos públicos acabam sendo repassados ao setor privado.

 

Saúde + 10

O diretor do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), José Noronha, fala sobre o Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública, o Saúde + 10, que defende que 10% das receitas correntes brutas da União sejam destinadas ao SUS

Mais informações

Conheça experiências com soluções para o SUS, implantadas pelo país

BVS

Acesse a BVS e consulte o acervo de bibliotecas e centros de documentação

BVS

Revista

Capa da revista escrito em azul Direitos Sociais, intercalando com Desoneração Fiscal em um fundo vermelho

Radis aborda as contradições por trás das desonerações e os dilemas e desafios que se apresentam para o financiamento do SUS

Cortes

Diante de um cenário de crise econômica e de perda de postos de trabalhos formais, um dos grandes desafios para o SUS nos próximos anos será o seu financiamento e sustentabilidade. Leia mais em matéria da Folha

Subfinanciamento

Programa Bate papo na saúde, do Canal Saúde, discute as dificuldades de financiamento do SUS diante das crises política e econômica no país e ameaças ao direito à saúde

Nova agenda

No artigo “Uma agenda prioritária para a saúde e para o Brasil”, Carlos Ocké-Reis, do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), propõe a construção de uma nova agenda para a saúde do país

Ressarcimento ao SUS

Em entrevista ao site Vi o mundo, Mario Scheffer e Ligia Bahia analisam ressarcimento ao SUS pelos planos de saúde e impacto para o financiamento das políticas de saúde

Entrevista

Foto da pesquisadora Sulamis Dain

Pesquisadora Sulamis Dain analisa o impacto em longo prazo das propostas orçamentárias e tributárias para a Saúde

Problemas

Apresentação do professor Áquilas Mendes em Comissão da Câmara dos Deputados

Entrevista de Áquilas Mendes, economista e professor da USP, sobre o orçamento da saúde e as mudanças nas regras de repasses para o SUS