A história das vacinas no Brasil nos remete a 1904, quando Oswaldo Cruz, então diretor geral de Saúde Pública (cargo que corresponde atualmente ao de ministro da Saúde) iniciou uma série de campanhas de saneamento e imunização. Neste ano, diante de surtos de varíola, o sanitarista tentou promover a vacinação em massa da população brasileira, recebendo duras críticas por parte da sociedade em geral.

Mais de um século depois, o reconhecimento da importância das iniciativas de Oswaldo Cruz para a garantia do direito à saúde é incontestável. Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece aos cidadãos brasileiros uma série de vacinas – boa parte delas produzidas nacionalmente (90%) – e mais de 34 mil salas de vacinação pelo país. O Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, que completou 40 anos de existência em 2013, apresenta boas práticas na implementação da política de vacinação do país, como as parcerias com laboratórios públicos para produção nacional de imunobiológicos, a erradicação de doenças como a poliomielite, febre amarela e varíola, e a contribuição para a ausência da paralisia infantil e do sarampo.

Os calendários de vacinação voltados a públicos específicos – criança, adolescente, adulto, idoso e população indígena – e as campanhas vêm dando conta, juntas, das vacinas prioritárias, oferecidas gratuitamente nos centros de saúde da rede pública e, a partir de 2014, mais três vacinas vêm sendo incorporadas aos serviços do SUS: HPV, hepatite A e vacina para gestantes contra difteria, tétano e coqueluche.

 

40 anos de PNI

Especialistas debatem os ganhos advindos com a criação do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde para a prevenção, controle e erradicação de doenças preveníveis por vacina

Mais informações

Conheça experiências com soluções para o SUS, implantadas pelo país

BVS

Acesse a BVS e consulte o acervo de bibliotecas e centros de documentação

BVS

Para gestantes

Coqueluche

Rede pública de saúde vai disponibilizar vacina tríplice acelular (DTPa), que protege contra tétano, difteria e coqueluche. Foco é a imunização contra coqueluche, de modo que as mães passem a imunidade para os bebês

Perguntas e respostas

Quando foi incluída no calendário do SUS? Qual o tempo de imunização? E o período da gravidez? Quantas doses? Saiba mais

Ampliação

Ministério da Saúde amplia a faixa etária do público-alvo no caso de seis vacinas que integram o Calendário Nacional de Vacinação 2017, aumentando a cobertura e proteção da população

Febre amarela

O aumento do número de casos de febre amarela em 2017 despertou a atenção das autoridades em Saúde do país. Saiba mais sobre a vacina contra a doença, oferecida em postos do SUS

HPV

Foto de menina sendo vacinada

Campanha do Ministério da Saúde vai focar na vacinação de meninas de 9 a 11 contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), usada na prevenção do câncer do colo do útero

Dengue

Em artigo, Reinaldo Guimarães, membro do Comitê Assessor de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde da Abrasco, avalia a vacina contra a Dengue, recém-registrada pela Anvisa

Idosos

Foto de idosa sendo vacinada

SUS oferece gratuitamente um grande número de vacinas contra doenças graves. Confira vacinas recomendadas para população com 60 anos ou mais

Viajantes

Vai viajar para outro país? Consulte no site do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária orientações sobre vacinas necessárias de acordo com o seu destino