A humanização é descrita, no campo da saúde, como uma aposta ético-estético-política. É uma aposta ética porque envolve a atitude de usuários, gestores e profissionais de saúde comprometidos e co-responsáveis. É estética porque se refere ao processo de produção da saúde e de subjetividades autônomas e protagonistas. E é política porque está associada à organização social e institucional das práticas de atenção e gestão na rede do SUS. 

Com base nesta concepção, foi criada pelo Ministério da Saúde, em 2003, a Política Nacional de Humanização, atuando de forma transversal às demais políticas de saúde, a fim de impactá-las e interferir na qualificação da atenção e gestão do SUS. Sua criação se deve à necessidade de avanço e qualificação do sistema nacional de saúde, na relação e nos processos de atenção ao usuário, bem como no trabalho de gestores e trabalhadores da área, reconhecendo a singularidade e a capacidade criadora de cada sujeito envolvido. 

A Política Nacional de Humanização se pauta em três princípios: inseparabilidade entre a atenção e a gestão dos processos de produção de saúde, transversalidade e autonomia e protagonismo dos sujeitos. Além disso, está em constante atualização, em busca de coerência com os princípios do SUS, sendo uma política institucional construída coletivamente, envolvendo não só o governo federal, mas as instâncias estaduais e municipais. Para se efetivar a humanização é fundamental que os sujeitos participantes dos processos em saúde se reconheçam como protagonistas e corresponsáveis de suas práticas, buscando garantir a universalidade do acesso, a integralidade do cuidado e a equidade das ofertas em saúde. 

Fontes: 

Glossário da Rede HumanizaSUS

Dicionário da Educação Profissional em Saúde

 

 

10 anos de PNH

Gustavo Nunes de Oliveira, coordenador da Política Nacional de Humanização (PNH), comenta os 10 anos da iniciativa do Ministério da Saúde

 

 

Mais informações

Conheça experiências com soluções para o SUS, implantadas pelo país

BVS

Acesse a BVS e consulte o acervo de bibliotecas e centros de documentação

BVS

Nascer no Brasil

Pesquisa

Nascer no Brasil – Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento é um estudo inédito, coordenado pela Ensp/Fiocruz, para conhecer os determinantes, a magnitude e os efeitos das intervenções obstétricas no parto

Vídeo

O vídeo, coproduzido pela VideoSaúde/Fiocruz, mostra a realidade de nascer no Brasil, onde poucas mulheres têm a chance de dar à luz sem intervenções durante o trabalho de parto

Amamentação

Foto Peter Ilicciev

Coletânea produzida pela Editora Fiocruz reúne obras clássicas e contemporâneas sobre amamentação e políticas para infância no Brasil, dentre elas o mais famoso livro do pediatra Antônio Fernandes Figueira, de 1910

Sem algemas

Projeto de lei na Bahia proíbe que mulheres privadas de liberdade sejam algemadas durante o trabalho de parto, em defesa de uma assistência humanizada. Leia matéria do jornal A tarde

Vídeo

Humanização na Atenção Hospitalar: programa EspaSUS aborda ações de ampliação da clínica e a melhoria do acesso e qualidade da atenção

Brincadeira de criança

Foto de uma profissional de saúde brincando com uma criança

Estudo buscou entender como o brincar auxilia no bem-estar das crianças, identificando resultados e mudanças que permitem mais autonomia e participação durante a hospitalização, e as interações sociais

Novas diretrizes

Théo, filho da dona de casa Adrianne Gonçalves da Silva Braz, sofreu AVC após a mãe ser submetida a manobra. Foto JF Dorio

Ministério da Saúde lança diretrizes contra manobras agressivas em partos. Documento recomenda mais de 200 procedimentos para melhorar a qualidade no atendimento e aliviar dor de gestantes