A Constituição Federal de 1988 determina que as três esferas de governo – federal, estadual e municipal – financiem o Sistema Único de Saúde (SUS), gerando receita necessária para custear as despesas com ações e serviços públicos de saúde. Planejar este financiamento, promovendo arrecadação e repasse necessários de forma a garantir a universalidade e integralidade do sistema, tem se mostrado, no entanto, uma questão bem delicada. As restrições orçamentárias para o setor – sobretudo a falta de recursos nos municípios – e a necessidade premente de superá-las fazem com que as discussões sobre o financiamento ocupem constantemente a agenda dos movimentos sociais e políticos que atuam em defesa do SUS.

Os percentuais de investimento financeiro dos municípios, estados e União no SUS são definidos atualmente pela Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012, resultante da sanção presidencial da Emenda Constitucional 29. Por esta lei, municípios e Distrito Federal devem aplicar anualmente, no mínimo, 15% da arrecadação dos impostos em ações e serviços públicos de saúde cabendo aos estados 12%. No caso da União, o montante aplicado deve corresponder ao valor empenhado no exercício financeiro anterior, acrescido do percentual relativo à variação do Produto Interno Bruto (PIB) do ano antecedente ao da lei orçamentária anual.    

Diversas instituições organizadas reivindicam, no entanto, que a União destine pelo menos 10% das receitas correntes brutas para a saúde pública brasileira, o que não se consolidou com a sanção da Lei Complementar nº 141. Diante disso, organizou-se o Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública, Saúde + 10, com o objetivo de coletar assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que assegure o repasse deste percentual, alterando a legislação vigente. 

Outro debate que se levanta a partir do subfinanciamento da saúde é a relação entre o público e o privado, já que recursos públicos acabam sendo repassados ao setor privado.

 

Saúde + 10

O diretor do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), José Noronha, fala sobre o Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública, o Saúde + 10, que defende que 10% das receitas correntes brutas da União sejam destinadas ao SUS

Mais informações

Conheça experiências com soluções para o SUS, implantadas pelo país

BVS

Acesse a BVS e consulte o acervo de bibliotecas e centros de documentação

BVS

Revista

Capa da revista escrito em azul Direitos Sociais, intercalando com Desoneração Fiscal em um fundo vermelho

Radis aborda as contradições por trás das desonerações e os dilemas e desafios que se apresentam para o financiamento do SUS

Planos de saúde

Abrasco, Cebes e Idec publicam informe sobre alterações na Lei dos Planos de Saúde, alertando para os retrocessos a partir das mudanças pretendidas

Sistema único

Em debate com o tema “Saúde pública e suplementar — Um sistema único”, no Rio de Janeiro, a pesquisadora Ligia Bahia (UFRJ) chamou atenção para a desigualdade econômica na cobertura de saúde no país

Reprovação

Conselho Nacional de Saúde (CNS) reprova as contas do Ministério da Saúde de 2016. Francisco Funcia, consultor da Comissão de Orçamento e Financiamento do CNS, comenta o assunto em entrevista à EPSJV/Fiocruz

Para entender

Matéria da Radis (julho/2017) discute o (sub)financiamento do SUS, a partir das análises de economistas e sanitaristas sobre a falta de recursos do sistema de saúde brasileiro

Mais recursos

Em entrevista à EPSJV/Fiocruz, Áquilas Mendes explica que novo modelo de repasse de recursos aprovado pelo Ministério da Saúde - o SUS Legal - não vai resolver o subfinanciamento do SUS

Nova agenda

No artigo “Uma agenda prioritária para a saúde e para o Brasil”, Carlos Ocké-Reis, do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea), propõe a construção de uma nova agenda para a saúde do país

SUS Legal

Ministro da Saúde apresenta nova modalidade de financiamento

Ministério apresenta detalhes do novo modelo de repasse de recursos do SUS. Antes realizados em seis blocos temáticos, passam a ser feitos em duas modalidades: custeio e investimentos