A humanização é descrita, no campo da saúde, como uma aposta ético-estético-política. É uma aposta ética porque envolve a atitude de usuários, gestores e profissionais de saúde comprometidos e co-responsáveis. É estética porque se refere ao processo de produção da saúde e de subjetividades autônomas e protagonistas. E é política porque está associada à organização social e institucional das práticas de atenção e gestão na rede do SUS. 

Com base nesta concepção, foi criada pelo Ministério da Saúde, em 2003, a Política Nacional de Humanização, atuando de forma transversal às demais políticas de saúde, a fim de impactá-las e interferir na qualificação da atenção e gestão do SUS. Sua criação se deve à necessidade de avanço e qualificação do sistema nacional de saúde, na relação e nos processos de atenção ao usuário, bem como no trabalho de gestores e trabalhadores da área, reconhecendo a singularidade e a capacidade criadora de cada sujeito envolvido. 

A Política Nacional de Humanização se pauta em três princípios: inseparabilidade entre a atenção e a gestão dos processos de produção de saúde, transversalidade e autonomia e protagonismo dos sujeitos. Além disso, está em constante atualização, em busca de coerência com os princípios do SUS, sendo uma política institucional construída coletivamente, envolvendo não só o governo federal, mas as instâncias estaduais e municipais. Para se efetivar a humanização é fundamental que os sujeitos participantes dos processos em saúde se reconheçam como protagonistas e corresponsáveis de suas práticas, buscando garantir a universalidade do acesso, a integralidade do cuidado e a equidade das ofertas em saúde. 

Fontes: 

Glossário da Rede HumanizaSUS

Dicionário da Educação Profissional em Saúde

 

 

  • 10 anos de PNH

    Gustavo Nunes de Oliveira, ex-coordenador da Política Nacional de Humanização (PNH), comenta os 10 anos da iniciativa do Ministério da Saúde

  • Canal Saúde na Estrada

    Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte, implementa os princípios de integralidade de assistência, universalidade de acesso e equidade na assistência à saúde e participação da comunidade através do controle social

Mais informações

Conheça experiências com soluções para o SUS, implantadas pelo país

BVS

Acesse a BVS e consulte o acervo de bibliotecas e centros de documentação

BVS

Nascer no Brasil

Pesquisa

Nascer no Brasil – Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento é um estudo inédito, coordenado pela Ensp/Fiocruz, para conhecer os determinantes, a magnitude e os efeitos das intervenções obstétricas no parto

Vídeo

O vídeo, coproduzido pela VideoSaúde/Fiocruz, mostra a realidade de nascer no Brasil, onde poucas mulheres têm a chance de dar à luz sem intervenções durante o trabalho de parto

Amamentação

Foto Peter Ilicciev

Coletânea produzida pela Editora Fiocruz reúne obras clássicas e contemporâneas sobre amamentação e políticas para infância no Brasil, dentre elas o mais famoso livro do pediatra Antônio Fernandes Figueira, de 1910

Sem algemas

Lei proibindo o uso de algemas em mulheres que estejam em trabalho de parto ou tenham acabado de dar à luz foi sancionada. A prática era tolerada em mães que estão presas e saem para ter seus filhos

Vídeo

Humanização na Atenção Hospitalar: programa EspaSUS aborda ações de ampliação da clínica e a melhoria do acesso e qualidade da atenção

Brincadeira de criança

Foto de uma profissional de saúde brincando com uma criança

Estudo buscou entender como o brincar auxilia no bem-estar das crianças, identificando resultados e mudanças que permitem mais autonomia e participação durante a hospitalização, e as interações sociais

Novas diretrizes

Théo, filho da dona de casa Adrianne Gonçalves da Silva Braz, sofreu AVC após a mãe ser submetida a manobra. Foto JF Dorio

Ministério da Saúde lança diretrizes contra manobras agressivas em partos. Documento recomenda mais de 200 procedimentos para melhorar a qualidade no atendimento e aliviar dor de gestantes